sexta-feira, 14 de março de 2008

Balista












A balista (Latim: ballista; derivado do grego: ballistēs) era uma máquina de guerra da antiguidade que atirava dardos. Basicamente são arcos ampliados e apoiados no chão.
A balista era um tipo de artilharia anterior a pólvora, usada principalmente contra homens em formação. Era um grande arco montado em posição lateral. Utilizava um guincho e uma catraca para criar a tensão do arco. Geralmente o projétil era uma grande lança de metal ou de madeira com a ponta de metal. Atirados contra uma massa de pessoas a distâncias de até 300 metros, as lanças podiam incapacitar diversos inimigos.
A forma de arremesso era bem simples: esticava-se um pedaço longo de borracha (ou de outro material flexível, no início somente artelhos de boi, daí artilharia), e colocava-o sobre uma trava que impedia o disparo acidental. Logo depois colocavam o dardo sobre uma fileira talhada no suporte de madeira. Quando a trava era retirada o material elástico esticado voltava à sua posição em repouso, lançando para longe o dardo.
As balistas podiam ser colocadas em montagens fixas em muralhas ou navios ou em montagens com rodas para utilização em campos de batalha. Não eram muito eficientes contra muralhas e edificações fortificadas.

Um comentário:

Filipe disse...

Na verdade não se usava material "elastico" em balistas ou arcos. A pressão que impunssionava os projéteis, era dada pela mola de torção feita de fibras vegetais encaichadas nos semi-arcos de madeira. Ao puchar a corda que lanssava os dardos (como num arco), esta inpunssionava os semi-arcos, que por sua ves torcia as fibras, gerando grande pressão.
=>>Tambêm nos arcos de guerra, a corda não era elástica ou flexivel. Ao retesar a corda o arco sofria preção e se flexionava, gerando pressão. A flexibilidade vinha do arco, e não de sua corda.