sábado, 1 de março de 2008

Gaius Marius

Caio Mário (Latim: C·MARIVS·C·F·C·N[1]) (Cereátas, Arpino, c.157 a.C. - Roma, 13 de Janeiro de 86 a.C.) foi um político e general da República Romana.


General Gaius Marius


De origem volsca, Mário não pertencia à aristocracia tradicional de Roma, a sua família provinha da região de Arpinum, onde detinha importantes negócios. Por este motivo, a sua progressão política na elitista República estava a princípio limitada. Mário fez no entanto o serviço militar durante a Terceira Guerra Púnica, onde participou no cerco de Numância. Ao fazer 30 anos, Mário entrou para o senado romano e cumpriu o seu mandato de tribuno da plebe em 119 a.C.. O seu percurso foi feito a pulso, perdendo várias eleições, visto que lhe faltava um apelido aristocrático que captasse os eleitores. Em 116 a.C., Mário consegue eleger-se pretor, embora com acusações de corrupção e suborno eleitoral, e no ano seguinte torna-se governador, com estatuto propretor, da província romana da Hispânia Ulterior. Este mandato vai-lhe oferecer hipóteses de negócio que vão aumentar a sua fortuna consideravelmente.


Mário.
De regresso a Roma, Mário consegue dar um importante passo em frente na hierarquia social de Roma ao casar com a patrícia Júlia Caesaris (tia paterna de Júlio César). Talvez devido a este suporte familiar, Mário conseguiu uma nomeação como legado militar do ex-cônsul Quintus Caecilius Metellus Numidicus na campanha da Numídia, que se saldou num sucesso. Esta sua vitória granjeou-lhe a fama necessária para ser eleito cônsul em 107 a.C. e no ano seguinte, foi ele próprio a encabeçar a expedição final contra o rei Jugurta da Numídia. É nesta altura que aparece a primeira evidência da relação de amizade com Lucius Cornelius Sulla. De regresso a Roma, Mário consegue um triunfo para celebrar os seus êxitos.
Entretanto, no Norte de Itália aparecia um perigo sem precedentes para Roma: uma confederação de tribos germânicas,compreendendo Cimbros (os mais numerosos), Teutões, Marcomanos e Tigurinos, com cerca de um milhão de pessoas aproximava-se dos Alpes com a clara intenção de invadir a península. Em 105 a.C., devido à inepta actuação dos comandantes romanos (o cônsul sénior, Cneus Malius Maximus e Quintus Servilius Scipio) o exército romano sofreu uma estrondosa derrota que quase aniquilou toda uma geração de homens. O pânico era generalizado e provocou a eleição de Mário em 104 a.C., considerado o único general capaz de lidar com a ameaça, para um segundo consulado, apesar de se encontrar ainda em África e de o primeiro ter sido há menos de 10 anos. Mário aceitou a nomeação mas impôs a condição de ver o seu mandato renovado até a ameaça ter desaparecido. Exigiu ainda carta branca para a reorganização do exército e criou a primeira legião romana profissional, integrando na legião os capite censi (o proletariado romano). Em 102 a.C., na batalha de Aquae Sextiae (Aix), derrotou a tribo dos Teutões e no ano seguinte aniquilou os Cimbros na batalha de Vercellae (Vercelas), pondo fim à ameaça germânica.

Nos anos seguintes, Mário regressou à vida privada apesar de se manter um cidadão influente. Mas a ambição de novas vitórias esteve sempre presente e, 88 a.C., quando rebentou a primeira guerra contra Mitridates VI do Ponto, Mário ambicionou o comando. Desta vez, devido à idade e ao facto de ter já sofrido uma trombose que lhe paralisou o lado esquerdo do corpo, Mário falhou a nomeação. O general indicado para este comando foi Svlla, o seu antigo legado, que se tornou num alvo político a abater. Através do suborno de um tribuno das plebes, Mário legislou que o comando mitridático fosse removido de Svlla e entregue a si próprio. Mas Sulla tomou a espectacular decisão de recusar cumprir a directiva e em vez disso invadiu Roma com o seu exército. A cidade foi tomada à força e Mário teve de fugir para África com os seus colaboradores para evitar o assassinato. Sulla abandonou Roma em direcção ao Oriente em 87 a.C., e Mário desembarcou na Etrúria retomando o controlo de Roma com Lucius Cornelius Cinna, um dos seus aliados políticos de maior confiança. Juntos organizaram uma limpeza de todos os aliados de Sulla, assassinando muita gente. Mário conseguiu ainda o tão ambicionado sétimo consulado (a 1 de Janeiro de 86 a.C,), apesar das suas capacidades físicas e mentais estarem obviamente perturbadas. Mas durante uma guerra de repressão por parte de Cina para com os romanos que estavam pilhando e saqueando a cidade, Mário acabou morrendo, já estando completamente destruido pelos problemas físicos e mentais (cirrose, problemas com a bebida que criaram isto, depressão e complexos).

O legado de Mário na história da República Romana é impar. As suas reformas no exército deixaram as bases do exército profissional que haveria de servir Caio Júlio César nas suas conquistas e, mais tarde, na expansão do Império Romano. Do ponto de vista político, foi a cabeça da facção dos Populares e os sete consulados de Mário abriram um precedente político para a quebra das rigorosas regras eleitorais de Roma, que haveria de resultar numa sucessão de guerras civis e na queda da República em 27 a.C..


VOLTAR

2 comentários:

Bruna Lassé disse...

Gostaria de saber, se vc já ouviu falar de um Mário Salomônico.
Ele era italiano e, segundo meu professor de Ciência política, foi o 1º a falar da soberania do povo.
Cheguei a pensar que fosse o ex-general Mário, do Império Romano, aquele que transformou o exército romano num exército profissional. Pensei isto, porque este Mário possuia grande apoio popular.
Se puder me ajudar a descobrir quem é esta criatura, eu agradeceria.

Mario Souza disse...

Caio Mario, foi mais um bom romano, no significado bem aristotélico de "homem-bom", ou "de-bem". Um cidadão que angariou e conquistou maquiavelicamente, hoje podemos dizer, o poder. Seus sete consulados, seus regime ditatorial, seu governo, tudo isso são coisas fascinantes para um tribuno da plebe, naturalmente pouco bem visto pelos patricios. O general Mario enquanto politico e cidadão mostrou-se um homem de inteligencia e valor, mesmo que pessoalmente com todos os seus problemas (depressão), se mostrasse confuso. Foi contudo um cara de garra, superando suas limitações fisicas da velhice.

Bem, sou um Mario também, espero ter mesma audácia e, se é que se pode dizer, sorte!